Martina Schulze, diretora do DAAD Brasil, e Stephan Schneider (BMBF) no Brasilientag, em Bonn

O Brasil esteve no centro das atenções na cidade alemã de Bonn nos dias 23 e 24 de março: o Ministério da Educação e Pesquisa da Alemanha (BMBF) promoveu o “Brasilientag” (Dia do Brasil), que teve a participação da diretora do Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico (DAAD) no Brasil, Martina Schulze, também diretora do Centro Alemão de Ciência e Inovação - São Paulo (DWIH-SP). O evento reuniu pesquisadores e especialistas atuantes na Alemanha interessados em cooperar com o Brasil e estimular futuras parcerias com o país.

No encerramento do “Brasilientag” foi feita a premiação dos três projetos vencedores de um concurso de ideias. Martina Schulze esteve presente na cerimônia e comentou as criações: “O projeto chamado ‘Caleidoscópio – O poder da alimentação’, apresentado pela Universidade Livre de Berlim (FU Berlin), mostrou o significado social dos alimentos. Além de muito interessante, o estudo é altamente interdisciplinar. Outro projeto premiado foi elaborado no Centro de Ciências do Ambiente Marinho (Marum), da Universidade de Bremen. Foi feita uma análise das consequências do desmatamento para a bacia do Amazonas e a região da foz no oceano Atlântico. O estudo sobre o uso do bambu como material de construção, desenvolvido na Universidade de Hamburg, também foi premiado e muito aplaudido. Como exemplo, foi apresentado o protótipo de uma bicicleta feita com bambu”. Os vencedores do concurso poderão ministrar um workshop com seus parceiros brasileiros.

O evento na Alemanha também foi uma excelente chance para se apresentar o cenário do ensino superior e pesquisa no Brasil, assim como as oportunidades de cooperação científica entre os dois países. O brasileiro Abílio Baeta Neves, presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), incentivou os participantes do evento a conhecer e explorar as possibilidades científicas do Brasil.

Em diferentes workshops ministrados no “Brasilientag”, foi destacada a cooperação com o Brasil em cada área de conhecimento. Tanto as vantagens existentes para pesquisadores dos dois países quanto as dificuldades foram abordadas. Na discussão, foi citada a necessidade de se dar continuidade às relações de pesquisa e intercâmbio, além da importância de se criarem estruturas que assegurem a cooperação na pesquisa individual.