O Brasil se tornou no dia 10 de abril o primeiro país da América Latina a sediar um Centro de Estudos Europeus e Alemães (CDEA), instalado na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre. A instituição nasce integrada a uma rede de 19 outros centros do mesmo tipo, fundada em 1991 pelo Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico (DAAD) por meio de recursos do Ministério das Relações Exteriores da Alemanha. Atuante em outros 11 países, a rede chega ao Brasil graças à parceria entre o DAAD, a UFRGS e a PUCRS.

A inauguração do Centro reuniu mais de 500 pessoas. O vice-presidente do DAAD, professor Joybrato Mukherjee, o reitor da UFRGS, Rui Vicente Oppermann, e o reitor da PUCRS, Evilázio Teixeira, assinaram um convênio que formalizou a criação do CDEA. A cerimônia foi prestigiada pelo presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Abilio Baeta Neves, pelo governador em exercício do Rio Grande do Sul, José Paulo Cairoli, pelo prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Junior, e pelo embaixador da República Federal da Alemanha no Brasil, Georg Witschel. O diplomata ressaltou que, além de intensificar o intercâmbio científico e cultural, o novo centro desempenha o importante papel de ponte entre a Europa e a América Latina.

“Estamos satisfeitos com o fato de que, no futuro, estudantes e jovens acadêmicos poderão ter uma formação nos programas inovadores e interdisciplinares de mestrado e doutorado oferecidos pelo novo Centro em Porto Alegre. Isso nos permite não apenas fortalecer o intercâmbio científico, mas também criar uma base sólida para a cooperação econômica e política entre a Alemanha e o Brasil", declarou Mukherjee, antes da fundação oficial do CDEA.

A diretora do DAAD Brasil, Martina Schulze, também participou da cerimônia e comemorou a instalação do primeiro Centro de Estudos Europeus e Alemães na América Latina: “A perspectiva latinoamericana sobre a Alemanha e a Europa não vai beneficiar apenas os estudos sobre essa temática em si, mas toda a rede formada pelos outros 19 centros. O Brasil é tradicionalmente forte nas Ciências Humanas e Sociais. As duas universidades que lideram o CDEA têm grande peso acadêmico e dispõem de ótimas relações institucionais com outras universidades na América Latina. Além disso, o Rio Grande do Sul tem laços antigos com a Alemanha. Dessa forma, é muito coerente e natural que o vigésimo centro tenha sede em Porto Alegre”.

Planos de incentivar o ensino do alemão

A proposta conjunta da UFRGS e da PUCRS enfatiza o estudo de três áreas: globalização, desenvolvimento sustentável e diversidade cultural. O Centro tem direção da coordenadora do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Direito da UFRGS, Claudia Lima Marques, e vice-direção do decano da Escola de Humanidades da PUC-RS, Draiton Gonzaga de Souza. Junto com os respectivos reitores e os representantes alemães, eles participaram da solenidade que apresentou a placa de inauguração do CDEA. Entre os planos, estão o incentivo ao aprendizado da língua alemã, por meio do Centro de Idiomas Lexis da PUC-RS e do Instituto de Letras da UFRGS. A universidade federal também pretende dar nova ênfase ao campo de Direito Europeu e Alemão na linha de pesquisa em Integração Jurídica.

Após a inauguração, foi realizada uma mesa-redonda sobre as singularidades do novo Centro, os estudos sobre a Alemanha e a Europa, e a rede de centros do DAAD. Um dos participantes foi Abilio Baeta Neves, presidente da Capes, que também celebrou a iniciativa: “É um reconhecimento do avanço da área de Ciências Humanas no Brasil e da parceria entre duas universidades brasileiras. Através do investimento alemão, com essa cooperação técnico-científica, é dada continuidade à estruturação de grupos de pesquisa no Brasil. A pesquisa ganha em qualidade se é feita com parceria estrangeira. O CDEA tem todo o apoio da Capes”.

O novo Centro é financiado pelo DAAD, com recursos do governo alemão por um período inicial de cinco anos, e pelas duas universidades brasileiras. O DAAD investirá um valor de até 250.000 euros por ano. Cabe às duas universidades parceiras colocarem à disposição do Centro o valor equivalente. O CDEA terá um orçamento total de 2,5 milhões de euros ao longo dos cinco anos para investir em pesquisas e ensino de temas relacionados à atual situação da Alemanha e da Europa.

“O objetivo dos centros interdisciplinares é ser uma referência para uma nova geração de acadêmicos, pesquisadores e estudiosos, focando em temas de relevância ligados à Alemanha e à Europa. A partir dos centros foi construída uma rede mundial de especialistas em temáticas europeias e alemãs, que trabalham de forma conjunta em diferentes projetos de pesquisa. A perspectiva latinoamericana é um grande ganho para toda a rede”, afirmou a presidente do DAAD, professora Margret Wintermantel.

Para saber onde ficam os outros 19 centros da rede, visite o site do DAAD.