Ex-bolsistas do DAAD e professores brasileiros e alemães envolvidos na cooperação acadêmica entre os dois países se reuniram na Universidade Federal Fluminense (UFF) para participar do seminário “Science for Life, Life for Science: Brazilian-German collaborative research, background and prospects”. Nos dias 10 e 11 de setembro, o público acompanhou em palestras e sessões temáticas o debate sobre como as comunidades científicas brasileira e alemã poderiam contribuir para que o conhecimento produzido se torne cada vez mais acessível, convertendo-se em melhorias na qualidade de vida dos seus cidadãos, assim como sobre a possibilidade de as demandas de suas populações indicarem perguntas científicas relevantes a serem respondidas. As sessões temáticas abordaram os tópicos “Drugs of the future: Molecules for Life”, “Human Sciences: Prospect and perspectives” e “Biodiversity and environment: Global challenges”.

O seminário foi uma oportunidade para celebrar e fortalecer parcerias já estabelecidas, mas também para alinhar novas iniciativas bilaterais de cooperação. Representantes de diversas instituições prestigiaram o evento. A abertura foi feita por Martina Schulze, diretora do DAAD no Brasil; Raimundo Damasceno, diretor do Núcleo de Estudos em Biomassa e Gerenciamento de Águas (NAB-UFF); Klaus Zillikens, cônsul-geral da Alemanha no Rio de Janeiro; Vitor Francisco Ferreira, pró-reitor de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação da UFF; e Abilio Baeta Neves, presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Três universidades alemãs muito ativas na cooperação com o Brasil participaram do seminário: Eberhard Karls Universität Tübingen (EKUT), Albert-Ludwigs-Universität Freiburg e Westfälische Wilhelms-Universität Münster (WWU).

Martina Schulze (DAAD Brasil), Irmgard Merfurt (Uni Freiburg), Heinz-Dieter Assmann (EKUT) e Marcos Tatagiba (EKUT) num intervalo do seminário

Abilio Neves ressaltou em sua fala a importância do acordo a ser firmado com a EKUT: “Uma nova tendência na CAPES é estabelecer uma cooperação mais profunda com universidades de excelência pelo mundo, assinando acordos diretamente com as instituições, o que será o caso de Tübingen. Na Alemanha, temos acordos desse tipo com as universidades de Bonn e Münster, por exemplo”. O Prof. Stefan Laufert, representante da EKUT e um dos organizadores do seminário, também citou a parceria com a CAPES em sua palestra, que teve o tema “Academic drug discovery – fiction, facts or fantasy”. Segundo ele, o futuro da cooperação com o Brasil na área de descoberta e desenvolvimento de novas drogas será beneficiado pelo novo acordo, que prevê a concessão de bolsas de doutorado para pesquisadores brasileiros e alemães atuantes na referida área.

O seminário também foi palco para homenagens à Rita Meyer, vice-diretora do DAAD no Brasil, que se aposenta após 36 anos de trabalho em prol da cooperação acadêmica. Ela recebeu de Abilio Neves uma placa da CAPES em agradecimento pela parceria de longa data. O DAAD, representado por Martina Schulze, também prestou uma homenagem à vice-diretora.

Rita Meyer, vice-diretora do DAAD no Brasil, recebe homenagem do presidente da CAPES, Abilio Baeta Neves

Os dois dias na UFF tiveram a presença de ex-bolsistas do DAAD de todas as regiões do país, assim como ex-bolsistas que estiveram na Alemanha financiados pela CAPES. A organização foi feita por um comitê com integrantes dos dois países: Profa. Maria Letícia Barbosa (UFRJ), Prof. Johannes Kretschmer (UFF), Rainer Radtke (EKUT) e Prof. Stefan Laufert (EKUT), além do próprio DAAD.

A Profa. Maria Letícia, atuante na Faculdade de Farmácia da UFRJ, comentou a experiência: “A organização do seminário representou para mim um grande desafio profissional, mas também uma tarefa muito gratificante. Essa iniciativa esteve sempre embasada na minha convicção quanto à relevância de contribuir para o fortalecimento e para a continuidade das iniciativas bilaterais entre Brasil e Alemanha, uma vez que eu mesma vivenciei durante meu doutoramento o quanto um projeto em colaboração pode ampliar seu impacto e contribuição científicos. Todo trabalho bem-sucedido é fruto de um esforço conjunto e essa é a mensagem que o nosso seminário gostaria de deixar para as comunidades científicas brasileira e alemã”. Maria Letícia cursou o doutorado em Química pela UFRJ (2013) e desenvolveu parte de sua tese em estágio sanduíche na Universidade de Tübingen, sob supervisão do Prof. Stefan Laufer, como bolsista DAAD-CNPq.

A Profa. Maria Letícia fez a moderação do seminário. Na foto, a mesa de abertura