Os colegas de mestrado de Zena Mouawad juntos na biblioteca da Universidade de Duisburg-Essen

Formada em Relações Internacionais, a paranaense Zena Mouawad sabia muito bem o que buscava em um curso de mestrado quando optou pelo Programa Helmut Schmidt, do DAAD. Ela queria aplicar o conhecimento adquirido em países em desenvolvimento, além de se aprofundar na área de cooperação internacional. Em 2015, partiu para a Alemanha e se tornou aluna do Master Development and Governance na Universidade de Duisburg-Essen. Atualmente, Zena é estagiária da Organização Internacional do Trabalho (OIT), em Genebra, e trabalha com estratégias de assistência humanitária em países afetados por conflitos. Com a história de Zena, iniciamos a série de entrevistas "Brasilidaad", com ex-bolsistas do DAAD, participantes de diferentes programas, pensando em ajudar e inspirar quem busca o curso ideal.

Por que escolheu cursar o mestrado na Alemanha e o Programa Helmut Schmidt?
Zena Mouawad: Quando eu me decidi por um mestrado fora, fiz uma pesquisa e busquei informações que seriam relevantes para o passo que estava disposta a dar na minha carreira. Eu conheci o programa pelo site do DAAD e em uma feira internacional para estudantes conversei com uma pessoa do DAAD Brasil. A partir dali eu tinha como minha primeira opção o "país das ideias". A Alemanha investe muito em conhecimento e abre as portas para estudantes internacionais se desenvolverem e o programa simplesmente tinha tudo a ver comigo. Eu queria aprender sobre políticas públicas e cooperação internacional, e sempre fui apaixonada pela história da reconstrução da Alemanha após a Segunda Guerra Mundial. Eu já conhecia o trabalho da Alemanha nessas áreas e acreditei que essa era uma oportunidade única de estudo. O programa tem como objetivo atrair jovens profissionais que desejam se qualificar e aplicar o conhecimento em países em desenvolvimento, o que é exatamente o meu objetivo profissional.

Qual conselho você daria para quem pensa em se candidatar ao Programa Helmut Schmidt?
Zena Mouawad: Reflita sobre seus objetivos, pesquise as universidades e procure entender o que é oferecido. Esse programa é bem competitivo, são milhares de inscritos. Dedique seu tempo para preparar uma boa “application”. Estude um pouco sobre como fazer uma boa “application”, sobre a universidade e, se você possui os requisitos, aproveite essa oportunidade. Eu tentei por dois anos consecutivos e a minha segunda “application” estava muito melhor. O melhor desse programa é que, em uma universidade alemã, você não precisa de um projeto de pesquisa para ingressar. Você terá tempo e conhecimento para desenvolver suas ideias durante seus estudos. O processo de aprendizado depende de você, mas esteja certo de que esse é um bom programa e você terá todos os recursos para fazer um bom mestrado. Eu costumo dizer às pessoas que me procuram: "Você é quem dá a direção ao seu mestrado". E é verdade... Meus artigos e trabalhos acadêmicos tratavam dos temas que eu queria conhecer mais profundamente. As universidades alemãs oferecem a base e orientação suficientes para que o conhecimento seja atingido, mas você é quem vai determinar seu sucesso. O DAAD oferece suporte desde o Brasil com informações e contatos de outros bolsistas. Você vai chegar na Alemanha com equipes preparadas para dar orientação e, assim que chegar, já conhecerá pessoas que vão seguir até o fim do período acadêmico ao seu lado. Os grupos são culturalmente diversos e você terá a oportunidade de conhecer a cultura e esse país incrível que é a Alemanha.

Zena Mouawad na Organização Internacional do Trabalho, em Genebra

Conte um pouco sobre seu trabalho atual e de que maneira o mestrado ajudou nesta etapa.
Zena Mouawad: Atualmente faço estágio na sede da Organização Internacional do Trabalho (OIT), em Genebra. Durante o mestrado, pude explorar uma área que sempre me intrigou: a eficiência da cooperação internacional. Hoje estou produzindo um relatório sobre o tema que irá orientar discussões cobrindo diversos tópicos. Só posso trabalhar confiantemente porque tive módulos que me instruíram durante o mestrado. Um exemplo é o desenvolvimento de estratégias de assistência humanitária em países afetados por conflito. Graças ao mestrado, tenho conhecimento adequado para trabalhar com políticas que podem diminuir os riscos de conflito e amenizar suas consequências. Além do mestrado, os dois estágios que fiz em centros de pesquisa especializados em cooperação internacional na Alemanha enriqueceram meu currículo para que pudesse hoje desempenhar uma função altamente especializada. Uma dúvida muito frequente entre os bolsistas e aspirantes ao programa é: "mas e depois?". E eu sempre digo: "Oportunidades virão!". Eu digo isso, pois eu e meus colegas trabalhamos com o que gostamos, contribuindo para o desenvolvimento de nossos países.