Inhalt

Entrevista aborda políticas de diversidade e igualdade do DAAD

© Thomas Pankau/DAAD

Com sua Agenda da Diversidade publicada no final de 2022, o DAAD traz o tema da diversidade para todas as áreas e estabelece a meta de se tornar uma organização mais diversa. Para explicar como isso será implementado na prática entrevistamos a Dra. Jenny Morín Nenoff, diretora de Diversidade e Igualdade de Oportunidades do DAAD, e a Dra. Isabell Lisberg-Haag, especialista em diversidade e consultora que apoiou o DAAD no desenvolvimento de sua Agenda da Diversidade.

Dra. Nenoff, algumas instituições de ensino já têm um(a) encarregado(a) pela diversidade. A senhora está assumindo o recém-criado cargo de Diretora de Diversidade e Igualdade de Oportunidades no Departamento de Estratégia do DAAD para sedimentar de maneira ainda mais sólida essas importantes questões transversais em nível institucional. Quais serão as mudanças concretas decorrentes de seu novo cargo?

Dra. Jenny Morín Nenoff: Como chefe na diretoria e na gerência, coordenar o grupo de trabalho interdepartamental de diversidade e desenvolver a agenda de diversidade era uma das muitas tarefas da minha alçada. Em meu novo cargo, agora posso me dedicar em tempo integral a essa temática tão significativa. Além disso, agora estou integrada à equipe de Desenvolvimento Sustentável do Departamento de Estratégia, que organizou a Conferência de Diversidade do DAAD, realizada em fevereiro de 2023. Fico feliz que, além de minhas tarefas de coordenação, eu também esteja envolvida na geração de informações sobre questões de diversidade na internacionalização do ensino superior e na política cultural e educacional externa (AKBP).

O DAAD já apoia diferentes grupos de pessoas. Por que uma Agenda da Diversidade é importante? Quais objetivos estão sendo buscados?

Dra. Jenny Morín Nenoff: Para nós, a Agenda é um roteiro para um processo contínuo de desenvolvimento e aprendizado para os próximos anos. Queremos nos desenvolver como instituição de forma a ampliar a igualdade de oportunidades na internacionalização do ensino superior. Isso significa que queremos viabilizar experiências internacionais para grupos de pessoas que o DAAD até agora ainda não alcançou com seus programas de bolsas ou o fez apenas de forma limitada.

Em quem você está pensando?

Dra. Jenny Morín Nenoff: Por exemplo, estudantes ou doutorandos que são os primeiros em suas famílias a se decidir por uma carreira acadêmica, aqueles que têm filhos ou pessoas com doenças crônicas – em suma, pessoas que foram sub-representadas no intercâmbio acadêmico internacional até o momento. Queremos alcançá-las melhor com os programas do DAAD. Não se trata de criar mais nichos ou mesmo de enfatizar a suposta alteridade dessas pessoas. Nosso entendimento é que elas simplesmente fazem parte disso, tanto como beneficiários do financiamento do DAAD quanto como funcionários de projetos financiados pelo DAAD. Ou como professores em universidades que o DAAD apoia no processo de internacionalização. Nós do DAAD também analisamos nossas estruturas e processos internos: ao recrutar novos funcionários, por exemplo, queremos atrair candidatos com uma ampla variedade de origens e, assim, aumentar a proporção de pessoas com histórico de migração ou pessoas com filhos – inclusive em cargos de chefia. Afinal, quando uma diversidade de pessoas contribui com seus talentos e habilidades para o nosso setor de educação, todos se beneficiam.

Dra. Isabell Lisberg-Haag: Sua pergunta deu a entender que a diversidade já está estabelecida hoje. Infelizmente, isso não é verdade. Um professor universitário me disse outro dia: “Já fazemos tanto pelas mulheres”. Por que temos que nos preocupar então com a questão da diversidade? Quando as instituições lidam com esse tema, geralmente os gestores tomam algumas decisões de cima para baixo. Isso é então vendido ao público como um processo.

Isso também se aplica ao DAAD?

Dra. Isabell Lisberg-Haag: Não. O DAAD atua de forma diferente, mais aberta. Além disso, o DAAD não confunde igualdade com diversidade nem a subordina à diversidade. Ambos os tópicos estão ancorados institucionalmente e são trabalhados e promovidos em estreita coordenação. Essa é uma mudança cultural e estrutural, que requer um processo de desenvolvimento organizacional complexo e de longo prazo. Então trata-se de muito mais do que apenas decisões estratégicas. No início, nada foi definido de cima para baixo, ainda que o impulso inicial para o desenvolvimento dessa agenda tenha vindo do Secretário-Geral do DAAD, Dr. Kai Sicks. A Dra. Nenoff e eu desenvolvemos em conjunto a “Mesa-redonda da Diversidade” como um formato de discussão para envolver o maior número possível de pessoas dentro da organização. O Grupo de Trabalho de Diversidade organiza regularmente essas “mesas-redondas” com cerca de 30 participantes de todos os departamentos do DAAD. Uma mesa-redonda como essa pode durar cinco horas e, ainda assim, é animada. Os funcionários refletem: o que a diversidade tem a ver comigo e com meu trabalho no DAAD? O Secretário Geral, Dr. Kai Sicks, sempre se senta à mesa.

O que vocês discutem no Grupo de Trabalho de Diversidade?

Dra. Jenny Morín Nenoff: Em primeiro lugar, analisamos a situação atual e nos perguntamos: quais grupos de pessoas estão sub-representados no DAAD? Também falamos sobre os privilégios que algumas pessoas têm em nossa sociedade e as barreiras de acesso que existem para alguns grupos de pessoas. Será que um pai imigrante com três filhos tem as mesmas chances de conseguir um emprego ou uma bolsa de estudos que uma mulher sem filhos oriunda de uma família acadêmica? No momento, não. Queremos ajudar a mudar isso.

Dra. Isabell Lisberg-Haag: Trata-se de perguntar: quem realmente se candidata ao DAAD? Somente estudantes de famílias com formação acadêmica? E por que as outras pessoas nem sequer sabem que o DAAD existe? Eu mesma passei por isso, pois venho de uma família da chamada classe trabalhadora e não tinha conhecimentos básicos sobre o sistema de ensino superior. Como estudante, eu também não sabia nada sobre o DAAD.

O que vocês já alcançaram com o Grupo de Trabalho de Diversidade e o que ainda querem alcançar?

Dra. Jenny Morín Nenoff: Já alcançamos muitas coisas. Em 2022, o DAAD assinou a “Carta da Diversidade”. Esse é um compromisso oficial para combater ativamente preconceitos e barreiras no ambiente de trabalho. Queremos organizar nossa comunicação de forma que possamos alcançar melhor os grupos-alvo mencionados anteriormente e, assim, informar ainda mais pessoas sobre nossas ofertas. E queremos garantir que aqueles que se candidatarem tenham as oportunidades mais justas possíveis no processo de candidatura. Por exemplo, é muito importante para nós que os comitês de seleção sejam formados por pessoas sensíveis aos diferentes contextos e circunstâncias de vida das pessoas que se candidatam junto ao DAAD.

O que você quer dizer com isso?

Dra. Jenny Morín Nenoff: Os candidatos já podem fornecer informações voluntárias em nossos documentos. Eles podem explicar por que razão, por exemplo, houve atrasos em seus estudos, seja porque eram pais solteiros cuidando de uma criança ou tiveram que trabalhar durante os estudos. Queremos oferecer treinamento para garantir que as pessoas que avaliam essas candidaturas sejam sensibilizadas sobre essas nuances. Ainda há muito a ser feito. Nossa meta a longo prazo: em alguns anos, teremos estabelecido uma cultura no DAAD que seja mais inclusiva para pessoas com biografias educacionais diversas e circunstâncias de vida diferentes.

Como seria isso em termos concretos?

Dra. Jenny Morín Nenoff: Mais pessoas poderiam ter coragem de estudar no exterior por um semestre ou durante um curso completo com um financiamento do DAAD. Isso lhes daria melhores oportunidades no mercado de trabalho; suas carreiras tomariam um rumo diferente. E elas poderiam se tornar modelos para pessoas em uma situação semelhante.

Entrevista: Josefine Janert (13 de novembro de 2023)

A Dra. Jenny Morín Nenoff é Diretora de Diversidade e Igualdade de Oportunidades no DAAD e coordena o Grupo de Trabalho de Diversidade do DAAD. Ela faz parte da Equipe de Desenvolvimento Sustentável no Departamento de Desenvolvimento de Estratégia e Política de Ensino Superior.
A Dra. Isabell Lisberg-Haag é moderadora, especialista em diversidade e palestrante. Ela presta consultoria ao DAAD sobre o tema da diversidade. Em seu podcast “Klassenreisen”, ela fala sobre origem social e sucesso educacional.

Anúncios de universidades alemãs

Transform tomorrow: Advance your tech skills for a sustainable world

Study in the center of Germany: Bachelor and master programs designed for real-world impact.

Mais

Elevate your career with us!

Let your career take off! Be part of an emerging university with a cutting-edge Master’s degree in Artificial Intelligence and Robotics (M.Sc.)!

Mais

Kick-start your future career in Financial Management at Coburg Univer...

If you are interested in management and finance our premium MBA program Financial Management could be just right for you! The program features an optional Dual Degree from UniSC Australia and a Bloomb...

Mais

Building Sustainability (MBA)

Unlock new possibilities in sustainable urban development, with our MBA in Building Sustainability. Take the first step towards a rewarding and impactful academic journey and join us now in shaping ur...

Mais

Study the MBA abroad – in the heart of Europe

The OHM Professional School of Nuremberg Tech is the most experienced business school in Germany (founded 2001). Get your MBA degree and bring out the leader in you!

Mais

MBA European Management with special Entrepreneurship courses

Study the MBA European Management with a focus on Entrepreneurship at the heart of Europe and qualify for management positions around the world! Apply today and become a leader of the future!

Mais

Study in Berlin – Summer and Winter

FUBiS is an intensive academic program of Freie Universität Berlin through which students can earn credits. Sessions run for 3 to 6 weeks taking place in summer and winter.

Mais

Find Your Bachelor’s Program at TUM Campus Heilbronn

Students at TUM Campus Heilbronn receive a high-quality education at the renowned TUM University of Excellence and extensive support services for their studies.

Mais

Onboard for success – Apply for the International Master’s Programme “...

Start your future in semiconductor research and engineering with the English-taught M.Sc. in Micro- and Nanoelectronics at BTU Cottbus-Senftenberg.

Mais

Philosophy and Computer Science (M.A. / M.Sc.)

Think. Code. Transform. This interdisciplinary master’s programme combines philosophy and computer science to address challenges raised by modern information technologies.

Mais

Food System Sciences (M.Sc.)

Your master’s degree for a better world! Be a part of our international master’s programme at the Faculty of Life Sciences: Food, Nutrition and Health and apply now!

Mais

MBA International Business Consulting at Offenburg University (Black F...

MBA IBC (Black Forest Business School) – Prepared for Leadership Upgrade your career with an English-taught MBA degree of Offenburg University! Your gateway to a qualified job in Germany and around...

Mais

Estuda na Alemanha em inglês!

Quer estudar uma Engenharia em inglês e aprender alemão? Estuda na Alemanha em inglês na THWS!

Mais

Global Food, Nutrition and Health (M.Sc.)

Your master’s degree for a better world! Be a part of our international master’s programme at the Faculty of Life Sciences: Food, Nutrition and Health and apply now!

Mais

Jumpstart your Career with our English taught Study Programs!

Our university is a lively hub of practice-oriented learning with cutting-edge research and a vibrant student community – it is just the right place to study!

Mais

Be part of the transition to the future shape of energy

Join our English-taught Bachelor of Science in Energy Systems Engineering and Management!

Mais
1/16

Contato

Captura de tela do mapa com indicação da localização do DAAD